Marinha escolhe empresa chinesa para construir estação na Antártica

31/05/2015 11:13

Empresa Ceiec ofereceu o menor preço pelo contrato: US$ 99,6 milhões.



Licitação ficou suspensa por três meses; obra só deve ser entregue em 2018.

A Marinha do Brasil confirmou nesta quarta-feira (20) que a empresa chinesa Ceiec vai construir a nova estação científica Comandante Ferraz, na Antártica. O resultado do certame foi divulgado no site da instituição.

De acordo com a Marinha, a proposta dos chineses foi a menor oferecida entre os três concorrentes (US$ 99,6 milhões, aproximadamente R$ 302,1 milhões).

Em janeiro deste ano, a instituição havia emitido parecer anunciando a escolha pela Ceiec. No entanto, a OY FCR Finland, da Finlândia, e o consórcio brasileiro-chileno Ferreira Guedes/Tecnofast apresentaram recursos judiciais contra a decisão, o que forçou a suspensão da licitação, em fevereiro. O processo foi retomado em abril.

O novo complexo científico vai substituir a antiga base, destruída por um incêndio em 2012, que causou a morte de dois integrantes da Marinha. A Promotoria pediu a acusação por incêndio culposo do suboficial Luciano Medeiros por multiplicidade de mortes, mas ele foi absolvido pela Justiça Militar.

A obra estava prevista para ser entregue em março de 2015, mas, devido aos atrasos na licitação, a entrega da estação pode ocorrer só em 2018.

Cientistas apontam turismo como ameaça à biodiversidade na Antártica

Veja fotos em 360º de expedição brasileira à Antártica

Área da Antártica ocupada pelo Brasil tem solo contaminado, aponta estudo

Volta da Antártica tem ondas gigantes em travessia de estreito

Brasil deve retomar até 2014 todas as pesquisas na Antártica, diz cientista

Marinha faz 'operação de guerra' para desmontar estação antártica no prazo

Navio de bandeira brasileira preso na Antártica é removido

Luto ainda é recente na estação brasileira destruída na Antártica

Após dois dias de tentativas, avião com cientistas pousa na Antártica

Navio de quase R$ 100 milhões é usado pela Marinha na Antártica

Marinha retira quase 700 toneladas de destroços de antiga base na Antártica

Entenda o caso

 Esse é o segundo processo licitatório aberto pela Marinha para essa finalidade. O primeiro, iniciado no fim de 2013 e encerrado em fevereiro de 2014, terminou sem a apresentação de propostas.

Na época, poderiam se credenciar apenas empresas nacionais ou estrangeiras que firmassem parceria com organizações brasileiras.

Após o fracasso, a Secretaria da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (Secirm) abriu em julho do ano passado uma nova etapa, desta vez permitindo a participação de organizações com 100% de capital estrangeiro. Desta vez, a inauguração foi adiada para março de 2016.

Devido a pendências judiciais, a licitação atrasou e só foi retomada em abril passado.

Atraso no início da construção

 A construção do complexo, prevista inicialmente para ser entregue em março deste ano, só deve iniciar após a assinatura do contrato, ainda sem prazo para acontecer.

A Marinha informa que a construção tem prazo de execução de 540 dias corridos, período que pode ser estendido devido a "fatores supervenientes, como é o caso das peculiaridades do clima antártico". Por isso, a entrega da nova estação pode ocorrer apenas em meados de 2018.

Até que a obra termine, módulos provisórios instalados no local dão infraestrutura suficiente para receber 60 pessoas de uma só vez. Com isso, as viagens de cientistas brasileiros até o território antártico terão continuidade, assim como seus trabalhos de pesquisa em temas como mudança climática e biodiversidade.

O projeto executivo, escolhido em 2013 em um concurso promovido pelo Instituto de Arquitetos do Brasil, não deverá ser alterado. Segundo o documento, o edifício principal da nova estação terá uma área total de 4.500 m² e as unidades isoladas, como as torres de energia eólica e a área para helicópteros, somarão outros 500 m².

Serão 18 laboratórios internos, além de sete unidades isoladas para pesquisas de meteorologia e da atmosfera. Sua capacidade será para abrigar 64 pessoas.

Vista panorâmica da Estação Antártica Comandante Ferraz (Foto: Divulgação/Estúdio 41)

Vista panorâmica da Estação Antártica Comandante Ferraz (Foto: Divulgação/Estúdio 41)

Eduardo Carvalho

Fonte: Do G1, em São Paulo

https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2015/05/marinha-escolhe-empresa-chinesa-para-construir-estacao-na-antartica.html