Neandertais nos tornaram mais gordos?

04/05/2014 11:08

Neandertais podem ter sido extintos há 30 mil anos, mas seus genomas vivem em humanos modernos. E agora, os cientistas acreditam que os europeus modernos compartilham uma série de genes envolvidos na formação de certos tipos de gordura com os neandertais. Os mesmos genes não foram vistos em pessoas da Ásia e África, no entanto.

Neandertais nos tornaram mais gordos?

Genes antigos podem ter ajudado os europeus a se adaptar melhor a climas mais frios, dando-lhes uma vantagem evolutiva.

“Esta é a primeira vez que vimos as diferenças nas concentrações de lipídios entre as populações”, disse o biólogo evolucionista Philipp Khaitovich, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária em Leipzig, na Alemanha.

Em dezembro, os cientistas do Instituto Max Planck sequenciaram o genoma dos neandertais e agora eles estão comparando o DNA antigo com as pessoas modernas.

Sabe-se que os neandertais cruzaram com alguns seres humanos depois que eles deixaram a África.

Os cientistas acreditam que os europeus modernos e asiáticos herdaram entre 1 e 4% dos genomas antigos e descobriram que certas versões desses genes são responsáveis ​​por causar diabetes, doença de Crohn e lúpus.

O Dr. Khaitovich e sua equipe examinaram a distribuição de variantes genéticos de Neandertal nos genomas de 11 populações da África, Ásia e Europa.

Ele descobriu que as sequências de DNA compartilhadas entre humanos modernos e neandertais são especificamente enriquecidas em genes envolvidos na degradação metabólica de lipídios.

Esta partilha de genes é vista principalmente em seres humanos contemporâneos de ascendência européia e pode ter dado uma vantagem seletiva para os indivíduos com as variantes de Neanderthal. Os pesquisadores não encontraram genes compartilhados em populações asiáticas e africanas.

Dr. Khaitovich disse que a diferença no número de genes neandertais envolvidos no processamento de lipídios foi ‘enorme’.

“Essas sequências mostram sinais de seleção positiva recente. Isso pode indicar que eles dão aos humanos modernos portadores do genótipo Neanderthal uma vantagem seletiva.”

Eles não entenderam a função das variantes genéticas de Neandertal, mas em uma tentativa de desvendar o mistério, eles examinaram o tecido cerebral do córtex pré-frontal de 14 adultos da Europa, Africa e descendentes de asiáticos, assim como 14 chimpanzés.

Dr. Khaitovich acredita que os genes neandertais afetam a composição da gordura em todo o corpo, mas, por enquanto, sua equipe está se concentrando em olhar para o tecido cerebral, principalmente porque é mais fácil de obter a partir de bancos de tecidos cerebrais.

Dr. Khaitovich disse: “Nós não sabemos o que essas mudanças de concentração de lipídios fazem para o cérebro, mas o fato de que as variantes de Neandertal podem ter mudado a nossa composição cerebral tem implicações interessantes.”

A equipe está tentando descobrir exatamente o que os ácidos graxos fazem no cérebro e como as diferenças na sua concentração podem afetar a sua função.

Dr. Khaitovich disse: “Achamos que é um efeito muito forte, com profundas mudanças fisiológicas. Caso contrário, não veríamos no tecido cerebral.

Seu melhor palpite é que os genes de ácidos graxos foram benéficos para os neandertais e ajudaram os europeus modernos a se adaptar a ambientes mais frios.

Ele acredita que as variações do gene podem ter aumentado o metabolismo para ajudar os europeus e os neandertais a quebrar a gordura mais rapidamente para obter energia para sobreviver em temperaturas baixas. [DailyMail]

Fonte: Mistérios d0 Mundo

https://www.misteriosdomundo.com/